Pular para o conteúdo principal

Lições de 1º de outubro

A campanha presidencial será acirrada e promete ser plebiscitária mesmo neste segundo turno. Para o Presidente, que busca a reeleição, ficaram algumas lições que não deverá repetir mais. A partir do escãndalo do dossiê, Lula cometeu dois erros graves que não se deve usar numa campanha política: a subestimação dos oponentes e, dada a conjuntura de exposição na midia de pessoas de sua campanha, fugir a um debate.
A afirmação de que iria "matar" a eleição no primeiro turno soou como empafiosa. Ao contrário do que poderia parecer uma demonstração de confiança política - aliás todo candidato deve demonstrar que acredita na vitória - a afirmação do Presidente foi mal interpretada por parte dos eleitores como uma afirmação de confiança exagerada. E isto lhe causou perdas suficientes que adiaram sua vitória.
A ausência ao debate soou diametralmente oposta à afirmação anterior. Um candidato que entende que "mata" a eleição logo de cara devia demonstrar ainda mais segurança, indo ao debate e adotando uma estratégia de ataque, deixando aos seus adversários o ônus de provar que ainda mereceriam uma chance de uma disputa mais plebiscitária.
Teremos no domingo um debate que promete revelar à opinião pública a consistência de projetos. Caberá ao Presidente a iniciativa de clarificar a diferença de propostas, porque o ônus da prova parece ficar, em qualquer circunstância eleitoral, com quem deseja continuar.
As pesquisas tranquilizaram um pouco o Presidente. Isso pode ser um bom lastro de confiança. Mas ele não deve abusar da auto-confiança. Humildade e inteligência lhe farão muito bem se quiser continuar mudando a face do País!

Comentários

Roney Belhassof disse…
Nunca pensei que me tornaria um defensor acirrado de algum político, mas depois da sucessão de tramóias da direita para eliminar Lula acabei me vendo transformado em seu cabo eleitoral.

Se bem que na verdade meu foco não é favorecer o Lula, mas afastar do poder o perigoso jogo de Alckmin que costuma ter entre suas vítimas a verdade e a democracia.

Seu blog continua ótimo!
Roberto Almeida/DF disse…
Para quem não votou em Lula , nem em Alckmin como eu, o 2º turno tem sido uma catastrofe. São dois péssimos candidatos.Não mudará nada. Tudo é muito parecido, principalmente na política econômica. Lula tem o bolsa família como a única coisa favorável em seu governo(Aliás, até nisto copiaram o PSDB). De resto é tudo muito igual. Se Lula colocasse em prática o que o PT sempre defendeu, até que teria uma grande diferença, mas como no Brasil político não cumpre o que promete e ainda é reeleito, então não se pode esperar muito do Brasil e seus políticos, sabem que podem roubar, faltar com a verdade, comprar parlamentares, favorecer empresas de parentes, etc.. que tudo o povo esquece e volta a elegê-los. Espero que o susto que Lula tomou no 1º turno, sirva pelo menos para que ele repense o seu governo e em caso de um 2º mandato seja duro nas questões éticas. O PT pode ter em uma possível reeleição de Lula- sua última chance de mostrar que é diferente. Por enquanto , o PT tem sido igualzinho aos partidos que criticavam quando era oposição.

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…