Pular para o conteúdo principal

Lições (não aprendidas) do 11/9

Passados cinco anos da tragédia das torres gêmeas, o mundo não apresenta nenhum sinal de mudança qualitativa na maneira como o poder é gerenciado. Ao invés de gerar a necessidade de diálogo entre os atores antagônicos da modernidade, o 11/9 gerou ainda mais ódio e empáfia.
Os inúmeros ofícios memoriais realizados nos Estados Unidos na segunda-feira, como gestos de reconhecimento ao sacrifício de tantos inocentes, na verdade poderiam ser muito mais profundos e autênticos se viessem acompanhados de gestos de reconciliação. Se os mortos pudessem ser ouvidos, certamente estariam dizendo: deixem de hipocrisia! Não nos usem para gerar ainda mais ódio!Não nos usem para justificar a guerra santa contra os representantes do Mal, porque o Mal não está nos inimigos, mas em vocês mesmos, nos sentimentos mais profundos de cada um de vocês!
Meia década depois, temos muito mais viúvas e órfãos do que aquele(as) que perderam seus parentes no World Trade Center. Afeganistão, Iraque, Cisjordânia, Líbano,.... experimentaram e ainda experimentam as consequências de uma vingança dirigida erga omnis, sem nenhum sentimento de culpa.
O mito de Narciso continua ativo. O pensamento unilateral continua prevalecendo, seja pela ideologia, seja pelas armas. E o mundo vive cada dia mais inseguro, gerando a neurose da pós-modernidade: o medo do totalmente diferente. Terminaremos, como humanidade, definhando como Narciso diante do reflexo de sua própria imagem?
Espero que não.
As lições do 11/9 ainda estão por serem introjetadas na humanidade. A ausência das torres físicas deveriam gerar um mundo onde a profundidade teria maior importância que a empáfia das alturas. Mas parece que logo logo vão substituir as torres antigas por uma ainda mais alta - olha aí Narciso - e ainda chamarão esse simbolo fálico de Liberdade. Resta saber qual....ou para quem!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …