Pular para o conteúdo principal

Israel: permissão para matar inocentes!

É absolutamente vergonhoso o jeito com que os líderes das maiores nações do planeta estão tratando a agressão israelense ao Líbano. Enquanto vidas de civis estão sendo destruídas, das quais cerca de 45% são crianças, de acordo com a ONG Save the Children, o ocidente fica propondo a criação de um cordão humanitário no sul do Líbano. Chega de tibieza no enfrentamento da questão.
Apoiado incondicionalmente pelo Governo Bush, em sua mania persecutória contra o terrorismo internacional, Israel usa a única linguagem que conseguiu desenvolver desde sua fundação: a da força e da prepotência.
Que o digam os palestinos da faixa de Gaza e agora os libaneses. E tudo isso sob o cínico argumento de que está se defendendo. Destruir um país, abater civis em bombardeios frequentes e indiscriminados, e levar milhares de libaneses a uma fuga tresloucada para lugares mais seguros não parece ser uso de legítima defesa.
A desculpa de que o que busca é a libertação de soldados capturados pelo Hezbolah só pode ser aceita pela mente perversa de Bush e seus aliados. O que dizer dos 8500 palestinos que estão presos em Israel, acusados de terrorismo, em condições de completo desrespeito aos direitos humanos? Mantidas as proporções das supostas vítimas, era para o povo árabe ter destruido Israel há algum tempo.
Defendemos o direito de Israel ser respeitado como Estado. Mas não podemos aceitar a sua sistemática postura militar contra os palestinos ou qualquer de seus aliados.
Se se condena veementemente o terrorismo - inaceitável por sua saga de matar inocentes - não se pode aceitar o terrorismo praticado sob a legitimação de um Estado.
Israel recebeu a solidariedade do mundo inteiro quando do holocausto praticado pelo Estado nazista. Hoje, em contrapartida, submete os libaneses a um triste e deplorável holocausto. Isso sem contar com o que vem fazendo há décadas contra o povo palestino.
É imperativo que a opinião pública mundial condene efetivamente o Estado de Israel por essa inaceitável agressão. Não podemos tolerar o uso sistemático da força como afirmação de soberania. Em não havendo uma reação firme contra um Estado que só sabe usar a linguagem das armas, corremos o risco de assistirmos a uma carnificina. De um lado e de outro. Isso sem nos esquecermos de que o ódio contra Israel vai alimentar ainda mais o combustível do terrorismo. Não se esqueçam do 11 de setembro. Em certa medida, Israel tem parte neste latifúndio de ódio.

Comentários

Carlos disse…
De um lado a ganância e a truculência americana/israelense. Do outro um grupo pequeno de fanáticos terroristas(que não gostam muito da palavra "negociar", ou é do jeito deles, ou então....), infelizmente nesta disputa, sobra p/ a população civil, desprotegida desta ganância por poder.

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…