Pular para o conteúdo principal

Desfecho pífio da era Parreira!

O país do futebol vive a ressaca da desclassificação. Mais uma vez a partida com a França revelou algo que nós brasileiros não nos acostumamos tão facilmente: nosso futebol burocrático, pálido, sem graça e sem raça. O Brasil nessa Copa não convenceu ninguém, apesar do pregmatismo adotado por Parreira sob o herético argumento de que o que vale é ganhar e não encantar. Futebol é arte. Não há arte sem a força da criatividade, da liberdade e da libido.
A era Parreira definitivamente deve ser sepultada, como ele mesmo se referiu ao dizer que o defunto deveria ser enterrado com dignidade. Contrariando o técnico, eu diria que o defunto deve ser enterrado com indignação. O desfecho dessa campanha não poderia ser mais melancólico. Não pelos méritos da França, mas pelos deméritos de um time de estrelas cadentes.
Em substituição a essa geração de estrelas, dominadas pela fama e preocupadas únicamente com suas carreiras individuais, deve-se redescobrir os novos talentos. E o Brasil sempre foi um celeiro de craques. Pena que o mercado os transformam em ícones da mídia e as grandes corporações tratam de controlá-los como modelitos de marcas, sujeitos a contratos milionários, para o que economizam a criatividade e a garra que tanto enriquecem o bom futebol.
Torci para que minhas intuições estivessem erradas, mas o favoritismo do Brasil antes da Copa tem antecedentes que já me deixaram de orelha em pé, já na estréia. Assim foi em 1974, em 1982 e 1998.
Que 2006 sirva de lição e a CBF, para além dos interesses midiáticos e financeiros, busque uma renovação do futebol brasileiro, recuperando o futebol e a arte que tanto credenciaram o Brasil em gloriosos momentos. E que venha o hexa quando a gente fizer por onde merecer!

Comentários

Roney Belhassof disse…
Saudações!

Sabe, sou um destes raros brasileiros que não sentem qualquer emoção com o futebol. Gosto mais de apreciar voley ou ginástica olímpica. Por isso não sou uma pessoa muito qualificada para comentar este post, mas vou arriscar uma opinião, tá?

Me corrijam se eu estiver errado.

O futebol é um jogo com um técnico e 22 jogadores. Ninguém além deles ganha algo concreto se obtém vitórias e ninguém interfere em suas táaticas, estratégias ou formação, certo?

A gente torce pela seleção no espírito de torcer pelo nosso país, não é?

Só que torcemos pelo nosso país muito mais quando ele participa de esportes do que quando ele participa de outras "disputas".

Será que deixando de ser bom no futebol a gente não começa a torcer pela nossa cultura, pela moralização da política ou pelo nosso desenvolvimento científico? Estas sim seriam conquistas coletivas resultantes dos esforços de cada um dos 180 milhões (dizem que já somos 186 milhões) de brasileiros, né?

Agora pode me dizer... fiz papel de chato? :-(

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…