Pular para o conteúdo principal

Eleição Presidencial: Os desafios da estratégia do Presidente (III)

Nos artigos anteriores comentei sobre as variáveis econômica e religiosa no embate eleitoral que vamos viver até a eleição. E como a estratégia de campanha do Presidente deverá enfrentar esses desafios.
Aqui analiso o perfil de "bom moço" que tem o candidato Alckmin. Um dos mais tensos pontos da campanha eleitoral deste ano será a vitrine da ética. E nesse ponto é bom saber que o Presidente não tem sido beneficiado. A crise em torno de denúncias de corrupção e de práticas ilícitas de assessores tem mantido Lula no canto do tabuleiro. Os peões da oposição ocuparam o centro do tabuleiro, adquirindo visibilidade na mídia e encurralando o Governo de forma sistemática. Bispos e Torres foram atacados, caindo inclusive a Torre Palocci, fazendo crer que a derrota se tornaria inevitável.
Mas surpreendentemente o Presidente parece inatingível. A recente pesquisa Datafolha revelou uma variação para menos dentro da margem de erro, o que representa estabilidade.
Qual a causa de tanta força? Porque o candidato do PSDB não consegue avançar, como o "bom moço" da campanha, sobre quem não pairaria suspeitas no campo da ética? Exatamente porque a opinião pública tem uma percepção afetiva distinta dos dois candidatos. Lula tem um histórico de pobreza e construiu sua trajetória pessoal em meio a um rígido processo de exclusão, patrocinado exatamente pelo segmento social ao qual pertence o candidato do PSDB. O personagem Lula foi talhado pela sobrevivência e o personagem Alckmin foi talhado pela supervivência.
As denúncias de exageros consumistas por parte da mulher do candidato do PSDB causam esse tipo de reação afetiva, especialmente nos setores mais pobres da população e até mesmo em segmentos da classe média. Nenhum político pode se dar o luxo de apresentar um estilo de vida ostentatório. Isso choca e desperta além da inveja - o mais atávico sentimento humano - a necessidade de purgação ética de quem não demonstra ter escrúpulos em parecer rico.
Some-se a isso as denúncias de favorecimento econômico e político que o governador de São Paulo usufruiu, as quais se encontram sob fogo cerrado até mesmo de naturais aliados.
O caso da NossaCaixa e o contrato de publicidade com uma revista de acunputura são apenas alguns dos mais recentes episódios que chamuscam a imagem de um candidato que até agora era um importante baluarte de ética pública.
O curioso é que, contrariamente ao que se esperava, essas denúncias fizeram sua candidatura estacionar (dentro da margem de erro), tendo no seu encalço o crescimento da candidatura de Garotinho. Fala-se inclusive na possibilidade de Serra entrar novamente no páreo, contribuindo ainda mais para passar a imagem de que o partido não tem um desejável gráu de consenso para enfrentar o Governo.
Resta ver o que vem nessa semana com a pressão que a oposição vai fazer sobre outra Torre: a de nome Bastos. Se essa pressão não conseguir identificar ramificações diretas com o 3º andar do Palácio, vai ficar difícil para a oposição reunir forças para evitar a reeleição.

Comentários

Marco Aurélio disse…
Xico

Que tal fazer uma enquête com o nome destes candidatos da pesquisa do datafolha, com votos brancos e nulos e com algum candidato de gozação ?

Um abraço

Marco Aurélio
Marco Aurélio disse…
Xico

Que tal fazer uma enquête com o nome destes candidatos da pesquisa do datafolha, com votos brancos e nulos e com algum candidato de gozação ?

Um abraço

Marco Aurélio

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …