Pular para o conteúdo principal

Eleição Presidencial: os desafios da estratégia do Presidente (II)

Entre os aliados do candidato Geral do Alckmin se encontra um segmento que não pode ser desprezado pela sua força. A política brasileira acostumou-se nos últimos anos a valorizar os votos dos religiosos. Foi assim no famoso "Centrão" dos tempos de Sarney, composto pela chamada bancada evangélica que ficou caracterizada por famosos acordos políticos no Congresso. Não é de hoje que algumas expressões da hierarquia católica romana se manifestaram em pleitos, emitindo julgamentos políticos sempre embasados em convicções religiosas ou ausência delas, nos candidatos.
Quem não se lembra da famosa interpelação a FHC, num debate, onde a resposta a respeito de sua crença em Deus custou-lhe muitos votos?
Quem não se lembra da campanha feita contra Lula, em alguns meios evangélicos, na primeira eleição de 1989, a respeito de ser comunista e ateu?
Recentemente a CNBB, através de representantes da hierarquia católico-romana, se manifestou contra a política econômica do Governo Lula. As reações vieram a seguir e até a FIESP manifestou seu apreço pela correção do "carão" passado no Presidente.
A campanha de Lula em 2002, através da aliança com o PL, construiu uma base política nada desprezível: a força da Igreja Universal.
Por todas essas evidências é importante destacar a imagem do Governador Alckmin: católico praticante e com laços afetivos com uma forte fraternidade católica conservadora. Dos dois candidatos que até aqui estão na ponta das pesquisas, com certeza o Presidente não é conhecido por uma prática religiosa.
E, além de não ter esse perfil, o Presidente tem decepcionado segmentos progressistas da Igreja Católica Romana, por sua política econômica que privilegia questões macro-econômicas em detrimento de investimentos sociais.
Com certeza, seria um instrumento importante de avaliação estratégica se fazer uma pesquisa junto ao eleitorado de corte religioso e praticante para se avaliar como andam as preferências, pois elas podem ser importantes para uma estratégia política mais eficiente.
Os católicos e evangélicos conservadores tendem a apoiar candidatos que sejam conhecidos por sua imagem pública ligada a valores como família e fé. É uma forma quase inconsciente de projeção externa (imagem) que esconde, na verdade, uma opção política de direita.
O Presidente terá a seu favor o apoio dos católicos e evangélicos progressistas na medida em que puder sinalizar com mudanças mais radicais em questões sociais, mais dirigidas aos setores excluídos. Se não fizer isso, corre o risco de perder um alicerce histórico da esquerda.
Depende só dele recuperar o terreno que tem perdido nesse campo. Como tenho dito, ele tem as chaves do cofre e a caneta.
Por outro lado, Alckmin vai construir uma base política junto da Igreja conservadora. Não foi à toa que suas primeiras palavras como candidato foram: " a Pátria são as famílias, a religião, os costumes e a tradição". Há uma forte aliança entre empresários e a Igreja conservadora, sobejamente provado na História. Alckmin, o bom católico, de família estável e bom moço constitui uma imagem bem forte. Isso é indicativo de que Lula vai precisar manejar muito bem sua estratégia política para não perder o apoio de poderosas forças que atuam em todo o lugar e em todas as consciências!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…