Pular para o conteúdo principal

Eleição Presidencial: os desafios da estratégia do Presidente (I)

Ao contrário do que pensam alguns, a candidatura Alckmin não é tão frágil como parece. Apesar da preferência de parte dos aliados do Governo em enfrentar um candidato com limitações discursivas e de pouco carisma, como seria o Serra. O Presidente, percebendo desde já a potencialidade do seu maior adversário, já determinou aos seus aliados uma profunda discrição. Como hábil jogador político - apesar de o acusarem levianamente de ser inculto - Lula sabe que terá que mover as próximas peças com muita habilidade. Como expressei anteriormente nesse blog, os movimentos do Presidente foram eficazes até agora com a definição do maior nome para enfrentá-lo, entre os demais que ainda serão definidos - leia-se aqui o candidato do PMDB que sairá nas prévias de domingo.
Analisarei aqui, em etapas, as três forças que são visíveis em Geraldo Alckmin: o apoio da FIESP, a apoio da Igreja Católica - leia-se aqui a ala conservadora - e o estilo de bom moço, com um discurso ético.
Nesse post analisarei o primeiro ponto, que tem a ver com o programa econômico das campanhas. Com certeza vai ser explorado o fraco desempenho de crescimento econômico. Haverá um racha nas elites econômicas: o setor financeiro a favor do Presidente e o setor industrial a favor de Alckmin. Não esqueçam que o grande mote da FIESP tem sido a taxa de juros, responsável pela inibição do crescimento e sua asa social: a geração de empregos. Essa conjugação de investimento e emprego, que nem sempre é vetorial, pode se tornar um dos grandes temas da campanha do candidato do PSDB. Mesmo com a relativa autonomia que tem demonstrado o COPOM, o Governo tem a seu favor a perspectiva de ir baixando os juros em doses homeopáticas.
Lula terá a favor de si, se o explorar inteligentemente, a demonstração de que produziu uma desconcentração de renda no país, gerando empregos e melhorando o poder aquisitivo da classe trabalhadora, especialmente nas regiões mais pobres. A prova disso é que São Paulo, reduto eleitoral de Alckmin, caiu na participação da riqueza nacional. Ou seja, sampa não é mais tão "centro" assim e perde cada vez mais o vigor de ser a máquina que move o País.
Outra frente a ser explorada pelos estrategistas do Presidente, no campo econômico, é "colar" Alckmin com seu padrinho político por gravidade: o ex- Presidente FHC. O candidato do PSDB terá que demonstrar que sua proposta não será a repetição daquilo que acabou levando Lula ao poder. Na verdade, Alckmin terá que resolver a equação entre mudança da política econômica e a manutenção da credibilidade brasileira diante do sistema financeiro internacional. Aliás, coisa em que Lula surpreendeu ao demonstrar ser um ótimo gerente do capitalismo financeiro.
Alckmin poderá explorar muito bem as baixas taxas de crescimento do Brasil, só que terá que reforçar sua retaguarda aberta para defender o maior processo de privatização e fragilização do Estado, adotado por FHC, incluindo ai o crescimento do desemprego e taxas também pífias de crescimento.
Some-se a isso o discurso dos demais candidatos, que com certeza não pouparão Alckmin. Aliás, antecipando como será a campanha, Rigotto já disparou seus ataques ao candidato do PSDB, acusando o partido tucano de ter criado uma quase insolvência econômica no Brasil.
Como se vê, essa campanha promete ser um embate muito renhido no campo da Economia. O vencedor nesse debate será o que melhor construir a sua retórica, com uma diferença: o "caixa" tá com o Presidente. Numa leitura maquiavélica - aqui ressaltada a natureza de estratégia política e não seu sentido pejorativo - o Príncipe tem as cartas! No próximo post analisarei a força "católica" de Alckmin e como isso será enfrentado pelo Presidente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…