Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2005

Carta ao Povo Brasileiro

Contra a desestabilização política do governo e contra a corrupção:
Por mudanças na política econômica, pela prioridade nos direitos sociais e por reformas políticas democráticas!


A sociedade brasileira mudou e, na Constituinte de 1988, decidiu por mudanças . Constituiu novos poderes e elegeu novos governantes, para promover processos de transformação social. Criou novas estruturas, combateu velhas instituições e gerou novos mecanismos para fazer valer os direitos de todas e cada uma das pessoas a uma vida digna.

Com a força desta história recente, mas vigorosa, de fortalecimento e radicalização da democracia em nosso país que nós, representantes das organizações populares, das organizações não governamentais, do movimento sindical, dos movimentos sociais e personalidades, convocamos toda a sociedade brasileira, cada cidadão e cada cidadã, para uma grande e contínua mobilização que torne possível enfrentar a crise política e fazer prevalecer os princípios democráticos.

Nas últimas ele…

República à deriva!

Passado o espetáculo deprimente do depoimento do deputado Roberto Jefferson na Comissão de Ética, os olhos agora se voltam para as apurações da CPI dos Correios e da provável CPI do Mensalão.
Uma coisa é certa: a República está à deriva! Dois dos poderes constituídos estão em meio a uma crise de legitimidade sem precedentes. Cresce a convicção de que essa história de mensalão não é coisa inventada por algum político em desgraça, mas a crua realidade de um País que não superou a cultura censitária, baseada no poder do dinheiro.
Me coloco ao lado dos brasileiros comuns, que vivem de salário, do trabalho árduo, para garantir a sobrevivência. Que paga uma fortuna em impostos para sustentar políticos que ganham fortunas por mês - além do seus salários convencionais - para trabalhar contra os interesses do povo.
O povo brasileiro precisa fazer valer sua dignidade. Chega de fazerem os eleitores de palhaços. Que democracia é essa? Na hora das eleições todo mundo posa de comprometido com a causa…

Golpe ou flancos abertos?

Tenho o maior respeito por Wanderley Guilherme dos Santos, por seu currículo e pelas análises feitas - a partir da Ciência Política - sobre importantes momentos históricos desse País. No entanto, acho que ele, ao defender a idéia de que está em curso um "golpe branco" contra o Governo Lula, pauta-se muito mais pela defesa apaixonada do Governo do que por um diagnóstico profundo da realidade.
Senão vejamos:
(1) Ele diz que o governo é bem sucedido. Em que aspecto? Que critério é adotado para definir que o governo Lula é bem sucedido? Na macro-eonomia? Sim. Mas acho que fora disso, os resultados são pífios. Basta perguntar aos setores ligados ao Meio Ambiente, movimento dos Sem Terra, Indígenas e mesmo a classe média arrochada tributariamente e ainda chamada de acomodada!
(2) Golpismo. Engraçado que em situações de crise os que estão no poder, acuados e em risco de legitimidade, sempre utilizam a falácia do golpe - velho "chavão" para desconstituir políticamente os adve…

Dia dos Namorados

Para além das artificialidades que o mercado cria em torno de uma data, é importante lembrar que o Dia dos Namorados exerce uma forte pressão sobre as pessoas. Nessas datas que evocam sentimentos e relacionamentos mais profundos, parece que vivemos uma dubiedade: uma parte das pessoas experimentam felicidade e excitação e, outra, tristeza e saudades. Isso depende diretamente do gráu de dependência que nossa vida tenha com relação aos namorad(a)s. Parece que o amor cria essa doença crônica de dependermos tanto assim de outra pessoa para sermos ou não felizes. Isso tem relação com o que escrevi alguns dias atrás sobre a relação entre o amor e o poder. Parece que o equilíbrio de nosso eixo vital depende da presença ou ausência de alguém. Mas isso não é sinônimo de amor. Se pensarmos que amor é doação, fica contraditório dizer-se que "ter" alguém seja razão de viver!
Aos namorados desejo um feliz dia em que renovem suas cumplicidades! Namorem muito, beijem muito, e partilhem su…

O medo está ameaçando a esperança

Estou profundamente entristecido com o espetáculo que nosso País está assistindo. Estou deprimido em minha consicência cidadã, estarrecido com as acusações que se fazem sucessivamente e cada vez mais graves contra os membros do Governo. Não basta o expediente, legal mas não ético, da semana passada onde o governo negociou às claras a liberação de verbas para parlamentares, cujos valores excedem a centenas de milhões de reais. Agora estoura a "bomba" do Jefferson: o mesadão! E opior é que isso tá virando combustível altamente inflamável nas mãos da oposição, sedenta de uma revanche com as forças progressistas deste País.
Já expressei anteriormente minha opinião sobre como o Presidente deveria agir. Parece-me que ele está perdendo o tempo certo de agir. Se não houver uma atitude verdadeiramente eficaz na elucidação das acusações a que seu governo está submetido poderemos ter um trágico fim!
Parece que o medo é agora o mote chave nos colóquios entre as pessoas. A campanha eleito…

Amor e Poder

Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro. (Carl Gustav Jung)

Saindo um pouco da Política, mas continuando nela - entendida como nossa eco-relação com tudo que nos cerca e que nos caracteriza como seres - gostaria de refletir sobre a relação entre amor e poder. Me inspirou uma conversa com uma amiga, que falava da necessidade de não perder controle na relação com seu companheiro, sob o risco de ser dominada. E ai me veio a frase de Jung. Realmente o amor é anárquico, profundamente anárquico, na acepção mais original do termo. Amar é desconsiderar qualquer pretensão de controle, qualquer instituição hierárquica. Por nos horizontalizar como seres, qualquer tentativa de poder gera a morte do próprio amor. Por isso ele é desconcertante, revolucionário da anarquia completa e nos perdemos. Estamos acostumados a normas, hierarquias, autoridade. O amor põe tudo isso por terra e somente quando esvaziados de qualquer sede de po…