Pular para o conteúdo principal

Blindagem: até quando?

As recentes pesquisas de opinião que apontam a popularidade do Presidente Lula, a despeito das denúncias que envolvem lideranças do Governo e do Partido, parecem sinalizar em uma direção que precisa ser considerada com muita atenção.
Significa que a opinião pública continua acreditando na capacidade do Presidente de levar o País adiante na busca das transformações que ele mesmo anunciou, tanto como candidato como eleito, nos diversos momentos de sua trajetória política. Significa também a percepção de que o Presidente não pode ser responsabilizado diretamente por desmandos de pessoas do círculo do poder que o cercam e sobre cujas agendas estão colocadas aspirações mais pessoais que nacionais.
No entanto essa "blindagem", como é chamada pelos analistas, não é garantida ad eterno se, daqui pra frente não houver mudança de rumos nas políticas públicas. O recente encontro que teve com representantes dos movimentos sociais, autores da chamada "Carta ao Povo Brasileiro", demonstrou que os movimentos exigem do Presidente a doção de medidas urgentes na direção da moralização do aparelho de Estado e da mudança de rumos na qualidade de suas alianças políticas. Reivindicaram também a inversão do modelo econômico baseado nas premissas de juros altos, de superávit fiscal e priorização do mercado externo.
Resta ao Presidente ouvir este apelo. Num momento em que segmentos conservadores vêem a oportunidade de enfraquecer o Presidente, isolando-o para controlá-lo depois, os movimentos sociais se fizeram presentes, deixando bem claro que estão na defesa da governabilidade do País. Mas essa governabilidade não pode ser garantida a qualquer custo. Apurar as acusações de corrupção, punir os responsáveis de onde vierem constituem elementos essenciais para o inicio de uma nova fase do Governo.
As medidas tomadas a partir do encontro com as lideranças não tem apontado na direção das inversões políticas propostas. Afora os afastamentos dentro do Partido e do Governo de pessoas acusadas, praticamente se está levando a termo uma reforma ministerial a conta-gotas sem garantia de mudança de rumos. Na política econômica não há sintomas de nenhuma mudança significativa. Inclusive, fala-se na adoção de um programa de "déficit zero", com forte conteúdo fiscal, que representaria ainda mais um passo na direção contrária do investimento e das prioridades sociais.
Desse jeito, a blindagem está em perigo. Não por vinculação pessoal às acusações de corrupção, mas por ignorar o apoio e o apelo dos movimentos sociais organizados.
O Presidente não pode voltar as costas a quem confia na sua capacidade de mudar os rumos da política brasileira!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…