Banana para Condolessa!

Calma pessoal.... não se trata de nenhuma frase ofensiva à Secretária de Estado norte-americana. Foi apenas parte do cardápio oferecido a ela pelo cerimonial gastronômetro do Itamaraty ontem a noite, após um dia em que, com ares de professora, desfilou por Brasília, dando aula de democracia e liberdade.
É interessante notar como a retórica dos EUA é fluente em definir o que acha ideal para os seus interesses econômicos e estratégicos. Ao defender que a Venezuela precisa de cuidados e de um certo monitoramento político no continente, em razão dos rumos preocupantes que está tomando com relação ao Governo Bush, Condolessa Rice se esquece de que seu governo foi responsável por alimentar a tentativa frustrada de golpe contra o Governo Chaves.
Uma das coisas fundamentais para dar credibilidade a um discurso é a coerência do retor. E não me parece que os EUA sejam um primor em democracia em qualquer dos campos que se possa imaginar. Sua política intervencionista no Oriente Médio, na América Latina, na Ásia apontam para um único valor: o da supremacia política, econômica e militar contra qualquer governo ou economia que ouse pensar diferente!
O estilo Bush de governar tem sido repudiado por todos os governos que defendem uma sociedade global baseada no mútuo respeito e na autodeterminação dos povos. Para a política externa norte-americana a única coisa que importa é resolver seus problemas de caixa. Pouco importam valores como democracia, soberania, multilateralidade e coisas do gênero.
Por essa razão, gasta bilhões com a corrida armamentista e manipula uma dezena de fóruns internacionais para dizer que as coisas no mundo tem que acontecer dentro dos parâmetros do seu fundamentalismo econômico.
Evidentemente que o papel do Brasil é muito importante para contrabalançar a influência dos EUA na América Latina e Bush sabe disso. Por isso corteja Lula com elogios. Mas não nos enganemos. O que é bom para os Estados Unidos nunca foi e nunca será bom para nós.
Resta a Condolessa voltar para casa com a sensação de que a acolhemos muito bem, com bananas e tudo, mas queremos pontuar nossa diferença em termos de política externa!

Comentários

Juliana disse…
Ótimo e pertinente texto! É isso ai mesmo: Banana para a Condolessa e para o Bush (no cardápio, é claro). hehehehe
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Visita do Papa ao CMI: gesto de comunhão e cumplicidade para testemunhar unidade

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia